domingo, 3 de outubro de 2010

Começo, de uma história sem FIM

O fim nos remete ao início. Deitado nesta poça de sangue, com a faca cravada em minhas costas, sou transportado para as lembranças de como tudo começou.
Era inverno , as manhãs em Curitiba eram infernais, a vento transpassava blusas, casacos ,pele e músculos, atingindo os ossos; o céu cinza não deixava o sol alcançar a cidade, o horizonte nada mais era que uma grossa camada de neblina.
Todo amanhecer seguia a mesma rotina, que nunca tornava-se massante pois para mim aquilo era o paraíso,acordar, te beijar, te abraçar me despedir, e passar o resto do dia esperando sentir sua pele novamente.
Lembro como se ontem fosse , o nosso primeiro beijo, o nosso primeiro “ _ te amo” , mal sabia que este seria meu maior pesadelo.

Um comentário: