quinta-feira, 20 de maio de 2010

Sentimentos


A minha arte nada mais é que a imersão do meu lixo interno, utilizo dela para fazer a limpeza tão necessária dentro de mim, ela não teria sentindo além de conseguir me colocar no eixo, de conseguir me tornar aceitável a uma sociedade massificada.
O cano de escape que impede minha explosão é a arte, quando percebo que minhas desilusões, meus receios e medos, servem para emocionar outras pessoas percebo meu lixo transformando-se em diamantes, vejo que os pensamentos mais obscuros do meu ser em uma mutação constante do lixo que recicla-se para o belo; talvez não exista outra explicação para a arte que essa, Um modo que o artista encontrou de conseguir manter-se lúcido, manter-se centrado e não deixar que a sujeira interna transforme-se na loucura.
Esta transformação de sentimentos é a maior beleza que se pode encontrar pois é a materialização da genialidade da mente humana.
O poder de gerar emoção não pode e não deve ser banalizado, pois a única forma de evolução da humanidade talvez seja a criação da sensibilidade onde há preconceito, a criação do amor onde há ódio, da empatia onde há rancor.
Talvez seja essa a única forma de evolução, como diz Cazuza " tenho medo de fazer análise e perder a inspiração".

Nenhum comentário:

Postar um comentário