segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

" Café com Leite"


Meu problema é ser bonzinho, é ser legal, ser o bobinho da rodada.
Confiar e confiar novamente, esperar que as pessoas façam o mínimo que eu faço por elas, espero honestamente que desta vez eu realmente tenha aprendido. Um misto de ódio, raiva, fúria e até mesmo inveja me consomem. A minha vontade era te esfaquear algumas vezes, mas na impossibilidade de realizar meu desejo de ser seu algoz eu vou apenas deixar de ser o palhaço da vez. Lembra quando erámos criança, e existia sempre o irmãozinho mais novo que deixávamos brincar, mas ele era “café com leite” e ninguém precisava levar a sério. Então estou começando a cansar de sempre me deixarem como “café com leite” , chega de ser morno, de ser saudável e feliz aos seus olhos, está na hora de realmente ficar frio, gelado junto com o vento que sopra do sul.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Voltei


Renascimento, fiquei algum tempo ensaiando como iniciar esse texto , para enfim ressurgir das cinzas.
Escrever algo profundo, belo, cheio dos meus antigos dramas era minha intenção inicial ao desejar reabrir o blog, todavia, quero distância de drama, sofrimento dor e adjacentes.
Então vamos lá:

Vamos acordar? Sério se mais alguém vier falar sobre amor vou vomitar.
Tudo que vejo é hipocrisia, algumas pessoas agarram-se ao ideal da pessoa amada e esquecem sua verdadeira essência.
Estou cansado de ver frases depressivas em redes sócias, exausto de ser obrigado a sentir a melancolia de relacionamentos que já afundaram ou pior a nostalgia do inicio de relacionamentos. Minhas retinas necessitam de descanso, parem de sofrer por outras pessoas e tentem ao menos lutar pelos seus próprios destinos. Veja como o amor esta banalizado, todos amam, todos adoram.
Todos querem apaixonar-se, não precisa ser correspondido nem mesmo entendido, só querem paixão pura e simples.
“.. Uma tarde de verão, sorrindo aos passantes, dormentes ao senhor tempo, algo inexplicável para razão, e tão singelo e belo ao amor... ”
Já eu defendo a individualidade de cada ser humano, a verdadeira face humana esta na individualização e não no social. Hoje nem mesmo pesquisas de opinião revelam opiniões.
Em um meio onde é “livre” o pensamento todos temos opiniões, contestações e soluções. Pensamentos que simplesmente não importam na massificação de pessoas. Onde todos têm opiniões ninguém tem. Vivemos tão desesperados com o outro que deixamos ao pouco de sermos nós. Somos produto do meio e meio nos tornou assim.
PS: A parte boa de estar depressivo é sem dúvida o sarcasmo, que é bagagem essencial para o depressivo, não sei dizer se o sarcasmo ou simplesmente a ironia de como enxergamos as pessoas e a realidade a nossa volta.
A lente negra que cobre meus olhos sem dúvida enxerga bem melhor, que seus olhos verdes ou apenas sou mais inteligente que a maioria dos bonitinhos existente na face da terra.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Aqui ou Ali


Afundo na areia movediça ao mesmo tempo em que meu corpo flutua na mais fofa nuvem.
A consistência das minhas alucinações começou a me preocupar. Sei que a porta de saída esta ocupada por ratos. Os ratos estão lá, eu aqui. Cada um tentado ocupar seu lugar de direito. Mas qual direito é esse, direito de matar ou morrer, de incendiar ou queimar.
Esses malditos sentimentos tão surreais que realmente chego a crer que estou no corpo errado, que isso não passa da grande piada do destino, ou de Deus. De alguma força maior inconstante, incoerente e persistente na minha vida. Talvez não seja apenas na minha vida, quem sabe seja na vida de todos. Ou quem sabe eu realmente seja louco e o que eu diga não faça o menor sentido, provavelmente é essa a resposta correta.
Resumindo escrever é o único porto seguro que encontro numa tempestade como essa, onde nenhum lugar é seguro, minha cama é ocupada por monstros, minha mente pelas mais torpes ideias, e a porta de saída esta cheia de ratos.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Psicanalise é para fracos, ou não.

Os remédios me tornam aceitável para essa sociedade, um remédio para controlar o humor, outro para dormir e por fim outro para acordar. São tantos comprimidos que ao fim de tudo quem esta se comprimindo sou eu. Tentando matar desesperadamente algo interno para ser aceito. Para tornar minha vida algo produtivo algo que as pessoas que “gostam” de mim respeitem e tenham orgulho.
Pego minha verdade e esfrego na sua cara, isso te faz sofrer me fazendo feliz. Algumas vezes mascaro a verdade deixando-a colorida e bela só para te fazer você sorrir. Isto me deixa contente. Ao fim de tudo estou sempre te enganando e a mim.
Sou imperfeito certamente, sou impulsivo e incontrolável, mas este sou eu e só desta forma encontro meu caminho. Vendo o que escrevo percebo claramente que os remédios não estão fazendo o efeito necessário.
Eu nada mais sou que você amplificado, dores e alegrias, são aparentemente tudo em mim.
Não conheço o meio termo, não conheço o simples viver, para mim sempre foi e sempre será o tudo ou o nada, até mesmo na forma que escrevo, descrevo minhas sensações de forma exagerada e ambivalente.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

PERSONALIDADE COM DESVIOS NA FUNDAÇÃO E CARÁTER DE RASA ILIBAÇÃO.

DESCULPE-NOS O TRANSTORNO, ESTÁVAMOS TRABALHANDO, MAS AGORA TAMO TOMANO 1 CAFEZINHO E FUMANO 1 CIGARRINHO Q NGM É D FERRO FALO MANINHO?

VOLTAREMOS EM BREVE SOB NOVA ORIENTAÇÃO FILOSÓFICO-POLÍTICO-ECONÔMICO-MORAL, PORÉM MANTEREMOS A MESMA DIREÇÃO SEXUAL...

provisório porém indefinido:
eu sou eu, você é você; e se alguém mais me agrada, aí é tudo nós na fita: noz é noz e o resto é noz também; só dá nós na parada, laço de castagna não tem;
e é muito isso aí: Ô! Ô mesmo!
Assim! Com todas essas palavras confusas e letras cruzadas.
E quem ri de ler, escute: replicantes - quando ele entra na rede, ele não surfa nada, é apenas 1 rapaz latino-americano sem dinheiro nem razão, com 1 lenço de papel usado no bolso e 1 documento roubado na mão;
eu quero viver cegando teus olhos de amor, com beijos pernas bandeiras moët-chandon escargot!
eu só quero é ser feliz, andar num mundo livre sem ter sociedade anônima nem propriedade alternativa;
viva meu pai! viva Jandira! viva Waldomiro! viro eu! vira tu! assim não dá! viro de novo! agora sim! viram só? vamintão? vai e vem! vaivém! venha! vou também! vamos juntos.....viva!!!!viva!!!!viva!!!!
valeu a pena? tudo vale a pena se a vontade não é pequena!
ENTÃO VAMO DE NOVO?!?

domingo, 22 de maio de 2011

Medo

Claro que os nazistas estavam errados ao odiar os judeus, mas o ódio aos judeus não foi sem razão. Mas, o motivo não era real, foi imaginário. O motivo foi o medo.
Mais deixem de lado os judeus por um momento, pensem noutra minoria, uma que pode passar despercebida, se necessário. Existem minorias de todos os tipos, loiras, por exemplo, ou pessoas com sardas. Mas uma minoria só é reconhecida como tal quando constituem ameaça à maioria. Ameaça real ou imaginária. E aí reside o medo.
E se essa minoria é de algum modo invisível, o medo é ainda maior. E esse medo é a razão pela qual as minorias são perseguidas, portanto, há sempre uma razão, a razão é o medo.
Minorias são apenas pessoas, pessoas como nós.
O medo é o nosso verdadeiro inimigo.
O medo está tomando conta do mundo. Está sendo usado como ferramenta de manipulação em nossa sociedade, é através dele que os políticos disseminam sua politica, que a Madison Avenue, nos vendem coisas que não precisamos. Pensem sobre isso. O medo de sermos atacados, o medo de que haja comunistas espreitando em cada canto, de que um país do Caribe não aceite nosso modo de vida e nos ameace, medo que a cultura negra domine o mundo, medo dos quadris de Elvis Presley, medo de que nosso mau hálito possa arruinar nossas amizades... medo de envelhecer e ficar sozinho, medo de ser inútil, medo de que ninguém se importe com o que temos a dizer.